Suspeitos de participar de briga no Rei Pelé foram identificados, diz CPC

Torcedores invadem gramado no Estádio Rei Pelé e protagonizam confusão (Foto: Ailton Cruz/Gazeta de Alagoas)
Foto: Ailton Cruz/Gazeta de Alagoas
Alguns dos torcedores envolvidos na briga generalizada ocorrida no domingo (8), no estádio Rei Pelé após a final do campeonato Alagoano, já foram identificados, e podem ser presos a qualquer momento. 
A informação foi confirmada nesta segunda-feira (9) pelo comandante de Policiamento da Capital (CPC), coronel Wilson. De acordo com ele, os procedimentos necessários para a localização dos suspeitos já estão sendo empregados pelas equipes da Polícia Militar (PM).
“Algumas das pessoas que localizamos pertencem a torcidas organizadas. Recebemos informações pelo Disque-Denúncia, e também trabalhamos com as imagens da transmissão da partida e das redes sociais”, explica o comandante do CPC.
Ainda segundo o coronel, o comando conta com ajuda de especialistas para identificar outros suspeitos por meio das imagens disponíveis. “Ainda hoje [nesta segunda] teremos alguma resposta para dar à sociedade alagoana”, conclui.
Um dos torcedores agredidos durante a confusão, um adolescente de 17 anos, segue internado no HGE. A assessoria de imprensa da unidade de saúde informou nesta segunda que a vítima permanece na área vermelha em estado estável, e reforça ainda que ele está consciente.
Atuação da PM
O coronel Wilson também falou à reportagem doG1 a respeito da atuação da PM durante a partida, e principalmente, quando inciou-se a confusão entre os torcedores.

“Tínhamos um efetivo de 300 homens dentro de campo para fazer a segurança dos jogadores e dos árbitros. Isso foi perfeito. E quando começou a confusão, é possível ver que o tempo resposta entre as primeiras agressões e a chegada do primeiro policial foi de 33 segundos, o que podemos classificar como uma resposta rápida”, afirma.
Para o comandante do CPC, a atuação da polícia, no geral, foi satisfatória. “O campo estava lotado, e a polícia fez a proteção para evitar que mais pessoas invadissem o campo. Devido às circunstâncias, a atuação dos policiais foi satisfatória”.
MP pede relatório ao CPC
A promotora de Justiça Sandra Malta Prata, da Promotoria de Justiça do Torcedor, quer que o CPC encaminhe um relatório sobre episódios de violência no estádio. O Ministério Público do Estado (MP) quer informações a respeito dos acontecimentos relacionados ao jogo que ocorreram dentro e fora do Rei Pelé.

O MP informou que a promotoria solicitará imagens dos atos aos veículos de comunicação que cobriram o evento para que, com base nas informações oficiais e no que tem sido noticiado pela imprensa, adotar medidas de sua competência, e acionar outros órgãos do MP que possam acompanhar o processo pela área criminal.
A promotora deve reforçar também o pedido de extinção das torcidas organizadas em Alagoas, que já são alvos de ação do MP, junto ao Poder Judiciário.
Quem engrossou o coro de críticas à pancadaria na final do Alagoano foi o governador Renan Filho (PMDB). Ele utilizou as redes sociais para criticar a briga generalizada que marcou a partida entre CSA e CRB. Ele classificou as cenas de violência como "selvageria, inaceitáveis e que envergonham as famílias".
Por: G1- AL

Compartilhe :

veja também

últimas notícias


Entre em contato

ara.noticia@hotmail.com


www.aranoticia.com - Todos os direitos reservados. © 2017